Páginas

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

JESUS FREAK

LOUCO
1. Palavra de origem obscura: doido, demente, maluco.
2. Pessoa que perdeu a razão.
3. Aquele que está fora de si, – contrário ao bom senso.
4. Alguém que se comporta de forma anormal.
5. Pessoa fora do comum, – incomum, – esquisito, – inesperado, – extraordinário.
6. Indivíduo dominado por paixão intensa, – apaixonado, – louco de amor.
7. Um discípulo de Cristo, – um Jesus Freak.

 
JESUS FREAK
 
Em 1967, parecia que toda uma geração havia se desprendido dos valores convencionais da sociedade e se juntado no distrito de Haight-Ashbury, na cidade de São Francisco, procurando por respostas.
Era o início do movimento Hippie, que no início pregava paz e amor, mas que acabou se voltando para sexo, drogas e rock'n'roll. Aquilo que a princípio parecia ser um lindo ajuntamento de pessoas que utilizavam o livre pensamento para renovar sua cultura acabou se tornando um buraco de cobra onde as drogas, o estupro, o abuso da inocência, o crime organizado e as falsas religiões tomaram conta.
Foi nesse cenário que apareceu um jovem chamado Kent Philpott, que se sentiu chamado por Deus para pregar o evangelho nessa cidade. Em abril de 1967, ele encontrou outro jovem, David Hoyt, um fervoroso seguidor do hinduísmo que pregava a "consciência Krishna". Eles deram início a debates sobre a natureza da verdade e da espiritualidade, o que acabou trazendo muitos amigos e seguidores para ambos os lados.
O diálogo aberto e sem preconceitos de Kent e o desejo sincero de David de descobrir a verdade rapidamente levaram David a questionar sua fé no hinduísmo. Então, numa noite, já tomado pelo desespero, David orou a Deus: "Senhor, mostra-me a verdade. Jesus Cristo, se tu és o Filho de Deus, entre agora na minha vida! Perdoa-me e cura-me!"
Numa experiência parecida com aquela do apóstolo Paulo no caminho para Damasco, David viu uma luz muito brilhante diante de si e percebeu imediatamente que Jesus era o Filho de Deus que havia sido enviado ao mundo para libertá-lo. A experiência foi tão forte que David se tornou cristão ali mesmo. Pouco depois, Kent e David se uniram para criar o primeiro trabalho missionário no distrito de Haight-Ashbury e, assim, alcançar os milhares que todos os dias iam ali procurando por respostas. Desse trabalho evangelístico surgiu o avivamento que ficou conhecido como Jesus Movement (Movimento para Jesus).
Juntamente com alguns outros, David Hoyt e Kent Philpott foram os primeiros revolucionários da fé a serem chamados de "Jesus Freaks". Essa expressão foi primeiramente dita como uma referência a esses bippies que se convertiam a Cristo.
Começando ali mesmo na Califórnia e estendendo-se a vários outros pontos dos Estados Unidos e até do exterior, milhares de jovens abandonaram as drogas, o sexo livre, o ocultismo e o misticismo oriental e decidiram seguir a Jesus.
A grande característica desse avivamento foi o modo como essas pessoas decidiram viver para Cristo – um cristianismo radical como poucas vezes visto na história. Isso porque os mesmos jovens que haviam se entregado por completo a toda forma de rebeldia agora viviam o cristianismo sem reservas. As pessoas passaram, então, a chamar esses cristãos radicais de "Jesus Freaks", um termo pejorativo.
Portanto, "Jesus Freak" foi o "palavrão" criado para insultar todo ardente seguidor de Jesus e significa "doidos de Jesus" ou "loucos por Jesus".
No início, esses cristãos se ressentiam de serem chamados de "Jesus Freaks". Entretanto, com o passar dos anos, principalmente desde 1970, a Igreja deixou de se importar com isso e adotou com alegria esse "xingamento", pois, na verdade, ele expressa a verdade daquilo que somos: loucos por Jesus. Desde então, Jesus Freak tornou-se sinônimo de alguém extremamente fiel a Jesus e que lhe obedece custe o que custar, ainda que o preço seja a própria vida.
Ao ler as histórias desses homens e mulheres que sofreram atrocidades terríveis por amor a Cristo, procure enxergar além da tragédia e do martírio para descobrir os tesouros que o aguardam logo abaixo da superfície. Focalize a fé, o amor e a determinação desses cristãos,– reconheça que em você habita o mesmo Espírito Santo que estava neles,– creia que você também pode mudar este mundo, mesmo diante de situações extremas.
Para entender o segredo desses Jesus Freaks, é preciso dar-se conta de que suas histórias são muito mais do que um relato de tormento e sofrimento de um grupo de pessoas dignas de piedade, tampouco são "supercristãos". Eles são como você e eu, e, apesar de terem vivido situações extraordinárias, sempre tomaram a decisão certa: nunca negaram Jesus. Agostinho disse certa vez, -  "A causa, e não o sofrimento, é que faz um verdadeiro mártir". Assim, neste livro, usaremos o termo "Jesus Freak" com freqüência. Ao se deparar com ele, não pense em um Jesus Freak como alguém perfeito ou perto da perfeição, mas, sim, como um indivíduo comum, que descobriu uma causa perfeita pela qual vale a pena viver, sofrer e morrer. Esses "Jesus Freaks" chamaram a atenção de Deus e entraram para a galeria dos heróis da fé. Ainda que muitos deles sejam pouco conhecidos na Terra, certamente são famosos no céu e, por terem con¬quistado a amizade divina, atraíram também a inimizade do inferno, que usou e ainda usa todos os métodos possíveis para silenciá-los.
O pastor E.V Hill contou certa vez a história de uma mulher que o procurou e disse. "Pastor Hill, ore por mim. O diabo tem me perseguido furiosamente". Ele respondeu: "Não! O diabo não a tem perseguido. Você ainda não fez o suficiente para que ele se importe em persegui-la".
Portanto, o objetivo de cada cristão desta Terra deve ser o de viver uma vida digna do reino de Cristo a ponto de chamar a atenção do céu, pois, assim, despertará não só a atenção, mas também a perseguição do inferno.
É dessa maneira que se forma um Jesus Freak. Minha sincera oração a Deus é para que você, ao ler sobre alguns desses "loucos por Jesus" de todas as épocas, seja desafiado a tornar-se um como eles.

Texto retirado do livro - Loucos por Jesus, volume 1 - Lúcio Barreto Jr.

.

Um comentário:

wander barreto disse...

Motivador. Muito bacana!