Páginas

quarta-feira, 9 de março de 2011

JOHN E CHARLES WESLEY – INGLATERRA –1791

Samuel e Suzana Wesley corriam por todos os lados tentando reunir seus filhos diante da casa em chamas. Suzana fez a contagem e viu que estava faltando um. "John! Onde está John"? Uma das crianças apontou em direção a uma das janelas e gritou: "Lá está ele, mamãe"!
Suzana correu em direção da casa e gritou: "Pule, meu filho! Rápido, pule agora". John pulou da janela nos braços de sua mãe alguns segundos antes de o telhado e toda a casa desmoronarem. Suzana, que já havia perdido dez filhos antes que atingissem a idade de dois anos, agora rolava com o seu garoto de seis anos na grama, agradecendo a Deus.
Aquele incêndio não foi acidental. Em 1662, uma lei entrou em vigência na Inglaterra exigindo que todos utilizassem o Livro Comum de Orações em lugar da Bíblia. Os que não se conformavam com essa situação eram chamados "não-conformistas". Mais de cinco mil deles morreram nas prisões inglesas. Todos sabiam que a família Wesley educava os filhos em casa, e alguns que rejeitavam suas idéias não conformistas decidiram atacá-los incendiando a residência deles durante a madrugada. Também tocaram fogo nos celeiros da família, e até a própria congregação que Samuel pastoreava o delatou e o mandou para a prisão. Enquanto estava na cadeia, certos indivíduos cortaram as tetas da vaca dos Wesley, impedindo que as crianças tomassem leite.
Apesar de tudo isso, a família Wesley se recusava a abandonar suas convicções. Em 1729, John e Charles Wesley estudavam juntos no Lincoln College em Oxford, onde participavam com George Whitfield e alguns outros do chamado Clube Santo. Esse grupo de jovens buscava a Deus e queria uma vida de santidade, também ajudando os doentes e visitando os presos. Sua disciplina rígida e métodos cristãos severos fizeram com que os outros estudantes os apelidassem de "Metodistas". Depois disso, John e Charles seguiram para o Estado da Geórgia, nos Estados Unidos, como missionários, mas Charles voltou um ano depois por motivos de saúde. Dois anos depois, John também voltou para a Inglaterra, triste e desencorajado por achar que sua missão lá havia sido um fracasso.
Uma doutrina popular da igreja daquela época era a predestinação, que diz que a salvação ou condenação de todos já está determinada mesmo antes do nascimento, independentemente das escolhas que a pessoa faça durante a vida. Entretanto John cria que a chave para a salvação era a decisão pessoal de seguir a Jesus, pensamento que não estava em conformidade com o da sociedade de sua época.
John compartilhou sua convicção com seu irmão Charles, que imediatamente a aceitou. Quando ambos procuraram uma oportunidade de compartilhar sua fé nas escolas e igrejas da Inglaterra, todas as portas se fecharam, pois os demais não criam como eles. Assim, sendo rejeitados pela igreja da época, passaram a pregar o evangelho nas ruas.
John Wesley viajava mais de sete mil quilômetros por ano visitando cada cidade e aldeia da Grã-Bretanha, pregando até cinco vezes por dia. Somente a cavalo ele percorreu mais de quatrocentos mil quilômetros. Esse homem, de apenas um metro e sessenta e cinco de estatura, pregou cerca de setecentos e oitenta vezes por ano durante seus cinqüenta e quatro anos de ministério. As multidões de todo o país que vinham ouvi-lo somavam entre cinco e vinte mil pessoas por reunião. Todavia os irmãos Wesley nem sempre eram bem recebidos nos lugares por onde passavam. Diversas vezes John Wesley foi apedrejado e arrastado como morto pelas ruas. Sempre apanhava das multidões, a ponto de ficar coberto de sangue. As autoridades locais nunca os protegiam. Ainda assim os dois irmãos enfrentavam as perseguições e perigos com grande coragem e tranqüilidade. Apesar de terem sido caluniados pelos escritores de sua época, não paravam de pregar o evangelho para responder às acusações.
Não obstante tanto trabalho e perseguição, John e Charles Wesley escreveram mais de duzentos e trinta livros. Somente Charles compôs mais de sete mil hinos e publicou cinqüenta e quatro hinários. Embora tenha recebido muito dinheiro pela venda de seus textos, John Wesley vivia de maneira simples, doando toda sua renda extra. Ele fazia questão de sustentar e ajudar as pessoas de classe mais humilde.
Um de seus biógrafos escreveu que, ao falecer, John Wesley deixou somente "duas colheres, uma chaleira de prata e um casaco velho". No entanto, o que os irmãos Wesley realmente deixaram para trás foram dezenas de milhares de vidas salvas numa época de grande decadência espiritual.
Charles morreu em 1788 e John em 1791, com oitenta e oito anos de idade. Ele passou sua última noite na terra louvando e adorando ao Senhor. Tomado pela alegria de saber que estava prestes a se encontrar com Jesus, exclamou: "O melhor de tudo é que Deus está comigo". Então, levantando a mão num sinal de vitória, repetiu novamente: "O melhor de tudo é que Deus está comigo".
Ás dez horas da manhã, enquanto os cristãos rodeavam seu leito, ele disse: "Adeus!", e foi se encontrar com o Senhor.
Jesus Freaks são trabalhadores incansáveis. Os irmãos Wesley conseguiram, com muita dedicação, impactar milhões de pessoas para Deus. Em seu exemplo de vida, não há o menor sinal de preguiça ou desânimo, apesar de sabermos Que o coração de ambos muitas vezes se enfraquecia diante de tanta perseguição. Eles podiam dizer como Paulo. –"Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé".
Hoje em dia, muitos Querem marcar o mundo para Deus, mas, Quando o trabalho se torna excessivo e os sofrimentos aumentam, decidem guardar a fé no meio da corrida.
Rick Warren diz em seu best-seller Uma Vida com Propósitos. –"Você deve às futuras gerações a preservação do relato de como Deus o ajudou a cumprir os propósitos dEle na terra ".
Imagine a grande perda para nós, hoje, senão tivéssemos a história da família Wesley, os hinos de Charles e os sermões de John? O exemplo de trabalho deixado por esses dois irmãos é riquíssimo, impactando-nos e desafiando-nos a arregaçar as mangas para deixar às gerações seguintes o legado daquilo Que Deus fez em nós e por nosso intermédio.
Qual tem sido o registro de esforço, de trabalho e de dedicação Que você tem deixado para aqueles Que virão?



Texto retirado do livro: Loucos por Jesus - Volume 1. Lúcio Barreto Jr.

8 comentários:

wsbarreto disse...

Sempre louvado seja Deus. Ele tem os seus. Sempre terá!

Abraço!

Demétrius A . Silva disse...

Sabemos que o inimigo usava algumas pessoas p/ perseguirem e matar os cristãos na época. Mas a natureza humana prefere tentar aniquilar aqueles que pregam uma mensagem de paz e amor, ao invés de posicionar contra os males que assolam a humanidade. Prova disto foi a crucificação de Cristo.

http://ciencia-religiao.blogspot.com/

keila disse...

GRAÇA E PAZ AGRADEÇO PELAS PALAVRAS QUE ME MANDASTE, ESTAVA LENDO SEU BLOG E ACHEI MUITO INTERESSANTE,E SEGUIREI TB, QUE DEUS CONTINUE ABENÇOANDO SUA VIDA, FAMILIA, E SEU MINISTÉRIO, GOSTARIA QUE VSISTASSE MEU BLOG TB E SE DESEJAR ESTEJA SEGUINDO FICAREI MUITO GRATA, DEUS CONTINUE ABENÇOANDO SUA VIDA!!!
http://missionariakeilarebeca.blogspot.com/

Elisiane Lima disse...

Muito bom. Eu quero ser um JOHN WESLEY...

By: Ô Grória!!! disse...

não sabia dessa historia dele, se puder escreve mais, faz tipo uma serie de historias sobre icones do evangelho!!

Irmão Victor Emmanuel disse...

Graça e Paz, amado em Cristo Jesus!

Gostei demais dessa história do Wesley. É muito boa a reflexão de 'o que deixamos para os que virão'!

Seguindo-te!

wagner disse...

Esta semana citei Wesley em um de meus post, e o que me chama muita a atenção e quando homens como ele em momentos finais de sua vida terrena conservam a paz, é como se o próprio Senhor os levasse nos braços, creio que como Paulo eles combateram o bom combate, acabaram a carreira e guardaram a fé. Um grande abraço e fica na Paz do Senhor...visite e se gostar siga...
http://saude-e-eternidade.blogspot.com/

Tia Lu disse...

Gostei muito do seu blog e já estou seguindo.Sempre que puder passarei aqui. Visite o meu blog e se interessar siga-me...
http://tialueoministerioinfantil.blogspot.com