Páginas

sábado, 19 de março de 2011

CRISTO, NOSSO RESGATE

Jesus teve que declarar de modo suscinto, comovente e vívido qual era a finalidade do seu ministério para que os discípulos compreendessem (Mc 10:42-45).
O conceito de resgate está por trás de um termo mais amplo: redenção; Redentor é aquele que oferece um resgate. O conceito de resgate é construído sobre a raiz de "perder algo", libertar algo que está sendo mantido em cativeiro. O resgate era o preço pago para libertar um escravo.
Quem estabelecia o preço do resgate? Era estabelecido, a princípio, pelo dono do escravo ou pelo seqüestrador.

Pergunta: Jesus pagou um resgate para quem? Satanás ou Deus?
Existe um elemento conhecido como Christus Victor. Esse elemento chama a atenção para a vitória cósmica sobre os poderes e principados demoníacos mediante a obra de Cristo. Se Cristo pagou um resgate para nos libertar das garras de Satanás, quem foi o vitorioso?
Em situação de resgate, o preço é pago por outra pessoa, e não pelo sequestrado. A exigência do resgate é quitada por um substituto.
Somos salvos da ira que está por vir, a ira de Deus. Não podemos compreender a missão de Cristo e nem a sua cruz sem relacionarmos os ensinamentos de Jesus sobre o juízo final.

O ponto central de seus ensinamentos é: Jesus não estava empenhado em salva a si mesmo; estava se oferecendo como substituto, agindo em nosso favor.
Detalhe: Você poderia identificar na Bíblia, quais versículos falam sobre Cristo como nosso substituto?

Expiação e Propiciação
Expiação em termos bíblicos significa eliminar a culpa, removê-la por meio do pagamento de um resgate ou oferecendo uma expiação; significa pagar a punição por um erro cometido.
Propiciação está relacionada com a mudança da atitude de Deus quando somos restaurados para entrar em comunhão com ele e ser merecedores de seu favor.
Expiação é o ato que resulta na mudança da atitude de Deus em relação a nós. Expiação é a obra de Cristo na cruz. O resultado da obra de expiação de Cristo é que Deus se torna propício a nós. O único conceito presente tanto na expiação como na propiciação é o argumento. A obra de Cristo teve o objetivo de aplacar a ira de Deus.

Jesus, maldição em nosso lugar
Faça um comparativo entre o texto de Levítico 16:20-22 e o que Paulo escreveu em Gálatas 3:5-14. Jesus foi separado de Deus por nossa causa (Mt 27:46 / Jo 19:30 / Lc 23:46).






TERMOS RELACIONADOS AO ASSUNTO

Redenção
Ato ou efeito de remir ou redimir (Lc 21.28; Rm 3.24; 1Co 1.30; Ef 4.30; Hb9.12).
Redenção pelo sangue de Cristo (At 20.28; 1Co 6.19,20; Gl 3.13; 4.4,5; Ef1.7; Cl 1.14; 1Tm 2.5,6; Tt 2.14; Hb 9.12; 1Pe 1.18,19).

Expiação
Reconciliação, pela qual os homens voltam a gozar plena comunhão com Deus. Por intermédio de Jesus Cristo, recebemos a reconciliação (Rm 5.11; 3.24; 2Co 5.18; 1Ts 1.10; 1Tm 2.5,6; Tt 2.14; Hb 2.9; 1 Pe 2.24).
A expiação no Antigo Testamento (Lv 1.9, Nm 6.46-48).
O Dia da Expiação: A mais solene de todas as festas; o grande dia de humi-lhação nacional entre os filhos de Israel (Lv 16). Era observado no dia dez do sétimo mês (Lv 23.27, Nm 29.7). O sumo sacerdote só podia entrar no Santo dos Santos no Dia da Expiação (Ex 30.10, Hb 9.7). Os dois bodes: O bode expiatório que pertencia ao Senhor era oferecido como oferta pelo pecado; o outro, o bode emissário, era enviado ao deserto para levar, tipologicamente, os pecados do povo (Lv 16:8-10). Em Atos 27.9, há referência a essa festa.

Propriciação
Aquilo que propricia, isto é, que faz tornar favorável; sacrifício de expia-ção. O sacrifício voluntário de Jesus, pela sua morte substitutiva, para cumprir a justiça divina e obter a reconciliação entre Deus e os homens, foi a propriciação perfeita e suficiente (Rm 3.25; Hb 2.17; 1Jo 2.2; 1Jo 4.10, Ex 32.30).

Reconciliação
Restituir à paz ou às boas relações perdidas. Algumas versões traduzem a palavra por reconciliar, enquanto outras traduzem por expiar. A ideia é a de transformar a inimizade em afeto; é uma mudança espiritual.
Reconciliação com Deus (Is 53.5; Rm 5.10,11; 11.15; 2Co 5.18-20; Ef 2.16; Cl 1.20,22).


Referências Bibliográficas
- Sproul, R. C.. Salvo de quê?: Compreendendo o significado da salvação (São Paulo, Editora Vida, 2006).
- Boyer, Orlando. Pequena Enciclopédia Bíblica (São Paulo, Editora Vida, 2006).

3 comentários:

WAGNER BARROS disse...

A Paz do Senhor Pastor, e parabéns pelos textos Deus te abençoe...
http://saude-e-eternidade.blogspot.com/

Anônimo disse...

Gostaria que tivesse respondido a pergunta principal do tema: a quem foi pago o resgate?
Pr. Max

cabeção de ouro rachado disse...

Ai pastor gostei do seu blog, assim que eu puder visitarei novamente e lerei com mais calma, não deixe de visitar o meu jjcrosa.blogspot.com. Um abraço! Shalom!